terça-feira, 31 de outubro de 2017

Você já teve conversas energéticas?



Você já teve pensamentos em que você se questiona e responde ao mesmo tempo, 
como se de um debate se tratasse?

Já discutiu com alguém e foi embora se colocando uma série de questões que você mesmo 
respondeu mas como se fosse a outra pessoa?

Você acha que está apenas imaginando o que a outra pessoa te responderia?
Ou que são apenas suas emoções à flor da pele, se expondo?

Saiba que nem uma coisa, nem outra...



" Basta que eu veja nitidamente, com os olhos ou com os ouvidos, 

ou com outro sentido qualquer, para que eu sinta que aquilo é real. 

Pode ser mesmo que eu sinta duas cousas inconjugáveis ao

 mesmo tempo. Não importa." 

Fernando Pessoa


No meu entendimento Fernando Pessoa sempre teve perceção das inúmeras consciências (energias) que o habitavam. Por isso mesmo a sua necessidade de as expor. E de alguma forma organizá-las. Categorizá-las. Talvez para um melhor entendimento de si mesmo. Não tivesse ele estudado astrologia. Aliás, podem ver num outro post meu, fotografias dos mapas astrais que ele fez dos seus heterónimos.

Bem, mas não posso divagar. Estes temas têm tantas vertentes que facilmente "divagamos" por outros tópicos.

No post de hoje quero cingir-me às conversas energéticas. Motivada pelo meu novo amigo "C" e ao que me aconteceu hoje e que já me aconteceu inúmeras vezes, mas que raramente falo.

Saí do trabalho. Apanhei o metro como todos os dias. Coloquei os fones no ouvido. E fiz o meu percurso tentando distrair-me do dia cansativo que tive. Passado umas horas lembrei-me de um colega do meu trabalho e dei por mim a fazer reflexões como se ele estivesse realmente a falar comigo. Era como se ele "falasse" e eu "respondesse". Mas tudo em pensamento. Não pensem que oiço vozes. Porque não é mesmo o caso. Tive a nítida perceção de que ele estava a pensar em mim ou quem sabe a falar de mim para alguém. E correndo o risco de que ele me achasse maluca resolvi enviar-lhe uma mensagem.




A minha ideia inicial era dizer apenas "andas a pensar em mim". Sei que parece um flerte, mas não é mesmo o caso ;-) Fiquei com receio de estar enganada e parecer louca ;-D Só que não. Nós aliás "pensámos" nas mesmas coisas.

Mas de verdade, isto já me ocorreu diversas vezes. E por diversas vezes pude comprová-lo, questionando as pessoas. Ou percebendo pelas evidências.

Recordo-me de uma situação de há alguns anos atrás, em que eu tinha "terminado" com uma pessoa e fui para casa. Tomei um duche. E os pensamentos divagavam. Novamente como se "ele" questionasse e eu respondesse. A "conversa" durou algum tempo até que eu percebi que estava a desgastar-me com uma situação que não me interessava mais. E comecei a "dizer" interiormente que se "ele" tivesse algo a dizer-me que o fizesse fisicamente. Me procurasse. E comecei a cortar a conversa energética. Assim que saí do duche e fui ver o meu telemóvel, tinha para mais de dez chamadas perdidas e algumas mensagens a pedir-me desculpas, a dizer que eu tinha razão...

Eu ri-me pela situação. Rio-me sempre. Conheço-me o bastante para compreender quando estas coisas acontecem. Mas acho sempre fascinante ter a perceção. Na prática. Do nível das nossas capacidades. Com certeza que tenho muito mais a aprender. E por isso mesmo testo-me. Todos os dias. Porque só assim é que posso conhecer-me infinitamente. Não posso depender de outras pessoas para conhecer as minhas limitações e aprender a ultrapassa-las. Não posso prender-me ao que me dizem como se de verdades absolutas se tratassem. Ninguém pode saber mais sobre nós do que nós próprios. Cada ser é único. Por isso o meu conselho é: testem-se! E compreenderão que todos nós temos mais capacidades do que julgamos e utilizamos.




As conversas energéticas podem ser negativas?


Como tudo na vida, a perfeição é sempre o equilíbrio. E como é difícil mantermo-nos sempre equilibrados com tantas interferências diárias. Tanto internas como externas.
O mal destas conversas energéticas tem sempre a ver com o conteúdo e com as emoções que são geradas. A forma como nos desgastamos e nos permitimos a isso. Quantas e quantas vezes remoemos determinados assuntos por dias ou mesmo semanas? Quantas vezes questionamos o nosso auto-controlo para definirmos o que queremos ou não pensar e de que forma? Parece impossível, certo? Certo. Só parece.


Puta que pariu


Claramente não é fácil, mas custa mais ao início. Tudo na vida é prática. Uma expressão que uso muito frequentemente para bloquear pensamentos "obsessivos" num determinado tema ou pessoa, e já fiz um post sobre isto, sobre como controlar os pensamentos, é "puta que pariu" - "puta que pariu não é nisto que quero pensar" - "puta que pariu esta conversa energética acaba aqui" - etc. A expressão faz ricochete e envia aquela frequência energética à sua origem. Costumo utilizar muito esta expressão também quando estou perto de pessoas que sinto que me querem consumir energeticamente. E sinto-me tão bem!




A complexidade do tema


Isto é apenas comunicação energética. Somos seres dotados de um corpo físico mas também de um corpo energético. E as nossas capacidades de comunicação vão muito para lá da comunicação verbal...

Este é um tema bastante complexo. E, falar destas coisas sem ser olhado de lado é raro. Confundir este e outros temas similares com problemas psicológicos também não é menos raro. E é por isso que muitas pessoas consideram precisar de ajuda psicológica. No fundo, é apenas por não se compreenderem e não saberem o que lhes afecta, como e porque.

Espero que a partilha da minha experiência possa permitir a outras pessoas um melhor entendimento de si mesmo. Principalmente aquelas pessoas que se sentem desconectadas da realidade que nos rodeia. Mas este, claramente, é um tema com muito "pano para mangas" como se costuma dizer, e posso voltar a ele mais tarde...

Namastê!