quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Os poderes do côco - antiviral, anti-bacteriano e muito mais...


Quem já leu o meu post anterior sobre a Helicobacter Pylori já conhece os meus problemas gástricos. E foi por esse motivo que após algumas pesquisas acabei por descobrir as propriedades potenciais do côco.

O poder do côco está no ácido láurico, substância também contida no leite materno, que após ingerido é quebrado por uma enzima no nosso intestino transformando-se em monolaurina. 

As potencialidades do côco são inúmeras, desde a eliminação de bactérias, fungos e leveduras, ao aumento da imunidade, perda de peso e redução do mau colesterol.

Na destruição de vírus e bactérias o processo ocorre porque a monolaurina é absorvida pelo sangue que dissolve os lipídios contidos no envoltório dos vírus existentes, conseguindo assim destruí-los. E no fígado, o ácido láurico transforma-se em energia, o que gera calor e queima de calorias. Para além disso, reduz a oxidação do mau colesterol,  prevenindo as doenças cardiovasculares.

Existem inclusivamente estudos que mostram a capacidade do ácido láurico no combate ao vírus do HIV. Mas a indústria farmacêutica lucra demasiado com as doenças para que o interesse com a humanidade se sobreponha a toda esta estrutura mantida pelo capitalismo.

Quanto mais leio mais percebo que a indústria alimentar caminha de braços dados com a indústria farmacêutica na busca incessante por atingir os seus fins sem olhar a meios. Todo o processo de industrialização  alimentar veio a contribuir largamente para o crescimento de inúmeras de doenças. E todos os alimentos que podem beneficiar a nossa saúde sem necessidade de recorrermos a medicação tornam-se quase um segredo, para que a indústria farmacêutica possa continuar a obter lucros.